Isis

Categories:

Isis

Resgate / Vida no abrigo:

Ísis foi resgatada há poucos dias de morrer… Uma pessoa pediu ajuda para ela, que estava na rua, e supostamente teria sofrido um aborto. Ela então chegou ao BG, aparentemente normal. Mas após alguns dias, percebeu-se que estava muito quieta e pálida. Exames revelaram uma anemia profunda e um quadro agudo de hemobartonela, como poucas vezes o laboratório tinha visto. Ninguém entendia como ela ainda estava ali!

Neste momento o Costelinha sangue bom (gato da voluntária Lilian) foi o doador do sangue que salvou a vida da Ísis. Achava-se que só uma transfusão não seria suficiente para reverter o quadro, mas foi. O pós-transfusão, acompanhado de medicação, regado a muito patê natural e carinho, garantiu a total recuperação desta guerreira.
E todo este processo foi acompanhado a distância da sua fã nº 01, sua mamãe que já a tinha escolhido e estava só esperando ela ser liberada para adoção.
Quando já estava mais forte, Ísis foi castrada e entregue a sua mamãe em outubro de 2015.
A casa já estava toda segura a espera desta princesa.

Depoimento adotante – Kemelye

Já ouviram falar em amor à primeira vista? Pois é, foi justamente isso que aconteceu quando eu vi a foto da Ísis pela primeira vez. Recebi várias e várias fotos dos gatinhos resgatados pela Gato Uai, e em meio à tantas fotografias, me deparei com a Ísis. Ah, aqueles pêlos na orelha me conquistaram! 

Naquele momento informei a ONG que eu já havia feito a minha escolha, eu queria adotar a gata mais linda do mundo: A Ísis.

Me disseram que essa talvez não fosse a melhor opção. A Ísis estava internada e correndo grande risco de não sobreviver. Me sugeriram adotar outro gatinho, um que estivesse saudável e disponível para adoção. Compareci ao abrigo, conheci mais de 20 gatinhos carentes e lindos, me encantei e me comovi com a histórias de cada um deles, mas a minha cabeça e o meu coração só queriam a Ísis, mesmo sabendo de todos os riscos, que ela estava doentinha e debilitada. Me informaram que a Ísis ainda estava internada em uma clínica veterinária, com anemia profunda e que receberia naquele dia, transfusão de sangue. Eu disse que esperaria o tempo que fosse preciso, mas a Ísis seria minha. Saí do abrigo e fui direto a clínica visitá-la, quando a vi não consegui conter as lágrimas, naquele momento tive a certeza de que eu cuidaria dela e de que ela cuidaria de mim pelo resto de nossas vidas. Semanas depois a Ísis teve alta, entretanto, necessitou ficar mais 30 dias no BarraGato em tratamento. Ao todo, esperei mais de 60 dias para conseguir adota-la. Trouxe-a para casa na última semana de outubro de 2015. 

A Ísis me completa. É o meu amor maior. Minha filha. Minha companheira. Minha amiga. Com ela descobri um amor que até então não conhecia. Costumo dizer que o amor que eu recebo da Ísis é tão imenso, puro e verdadeiro, que no final das contas eu é quem fui adotada por ela, e não ela por mim. Que sorte a minha, poder dar um lar confortável e cheio de carinho a um ser que tanto sofreu na vida! 

Isís é o nome de uma deusa egípcia que é um modelo para as mulheres e mães, é a deusa da fertilidade, do amor e da maternidade. A versão grega deste nome significa “eu nasci de mim mesma”, “não venho de ninguém”. Minha Ísis renasceu… nasceu dela mesmo e me trouxe de volta a alegria de viver, alegria essa que se renova a cada largatixa trazida de presente, a cada miado, a cada ronronado! Hoje tento proporcionar tudo de melhor que ela possa ter. Minha linda, meu tesouro, minha flor, minha Deusa… MINHA ÍSIS… MEU AMOR!

Sansa e Alaska

Categories:

Resgate / Vida no abrigo:
Lua chegou ao BG após passar 07 meses em uma gaiolinha de uma clínica veterinária. Ela foi resgatada grávida, teve seus bebês em segurança na clínica, foi castrada, viu todos seus filhotes serem adotados, mas ela continuava lá, a espera de um lar.
Para amenizar a espera, ela foi para o BG, onde cativou a todos que por lá passaram com sua doçura e miado rouco.
Adotada em Dezembro de 2013.

KitKat nasceu numa casa onde nenhum bichinho merecia estar: em meio a lixo, sujeira e falta de carinho. Sua tutora faleceu e os outros 29 gatinhos que estavam no local foram levados pelo Centro de Zoonoses. Ela, muito pequena (2 meses), não foi vista e, assim, foi salva. Quando as voluntárias do Gato Uai souberam de sua existência, logo se reuniram para ver o que fazer, pois é difícil manter gatinhos especiais no abrigo (ela é cega), mas elas decidiram arriscar e acolheram a KitKat. Antes, ela foi consultada e além de ser positiva para FELV, foi constatada a necessidade de cirurgia devido aos problemas nos olhinhos.
Com apenas 4 meses, ela já havia enfrentado muitas dificuldades, porém em nada a cegueira lhe atrapalhou.
Adotada em Julho de 2016.

Depoimento adotante – Maria Carolina Gavioli
Meu marido e eu sempre optamos pela adoção de gatos. Quando me tornei voluntária no BarraGato sabia que em algum momento adotaria um hóspede, só não sabia que seriam três!
A Alaska (no BG – Lua) e a Hazel (no BG – Ditinha) vieram para nossa casa em dezembro de 2013. Sempre tive gato preto em casa, desde criança, e quando soube da história da Alaska não tive dúvidas que ela precisava ter uma vida feliz e cercada de amor. O miado rouco e o jeito falante dela me conquistaram por completo. Em questão de horas ela e a irmã já estavam adaptadas em casa.
Depois de 3 anos, mesmo com 4 gatos em casa (já tínhamos 1 e resgatamos e adotamos outro), tinha o sonho de ter um gato cego. Não faltaram oportunidades, meu marido dizia que estávamos no limite de animais em casa, porém não resisti a toda trajetória da Sansa (no BG – KitKat) e sabendo que ela era Felv+ não pensei duas vezes. Precisava mostrar para ela que ser um animal especial não era um problema e ela seria muito amada por todo o tempo que estivesse conosco. Ela chegou dominando tudo, hoje é a dona da casa e os irmãos mais velhos nem se atrevem a discordar!
Assim, hoje temos 5 felinos que considero nossos bens mais preciosos, as vidinhas que dependem de nós e nos tornam pessoas melhores diariamente. Já mudamos de casa, de emprego e eles sempre irão nos acompanhar.
Adoção é um ato de amor. Eu achava que estava salvando vidas, mas foram eles que me salvaram!