Dodó (Roney) e Charlotte (Maya)

Resgate / Vida no abrigo:

Maya apareceu na rua de uma de nossas voluntárias e parecia ainda ser filhote. Ficava do outro lado da rua de madrugada só observando enquanto os outros animais, ariscos, eram alimentados. Aí ela passou a compartilhar a comida deles, porém continuava desconfiada.

Um dia ela pareceu mais gordinha. Mas alguns dias depois não estava mais. Quando enfim ela se deixou aproximar, acreditávamos que ela logo seria castrada e teria a oportunidade de ser adotada. Infelizmente esta não é a realidade de animais que vivem nas ruas. Tomamos conhecimento que ela havia tido filhotes na garagem da casa vizinha, no meio de entulhos, e eles queriam tirar todos de lá.

O resgate foi longo e difícil, primeiro a mãezinha e um dos filhotes foram pegos, os outros se enfiaram nos entulhos e não apareciam por nada. Foram dias de gatoeiras e expectativas (nossa e dela, que estava apreensiva na gaiola da clínica esperando seus bebês). Depois que a família toda foi reunida (05 filhotes), ela relaxou. Eles ficaram alguns dias na gaiola, até terem vaga no BG. Sua bebê Amélie já chegou ao BG com adotante. Era só esperar desmamar. E assim desmamou, a linda Maya foi castrada e foi a 2ª da família a ser adotada. Afinal, quem resiste a essa cinzenta misteriosa? E ainda foi uma adoção conjunta com o Roney.

Roney é daqueles gatos unanimidade: todo mundo apaixona!
A voluntária Tânia estava chegando a seu local de trabalho quando viu aquela figurinha se esfregando em todos que passavam em frente de uma loja. Ela achou que tivesse dono, mas a informaram que ele era da rua mesmo, tinha aparecido por ali. E apesar de grande, ainda era um filhotão. Ela ficou o dia todo com ele na cabeça e resolveu pegá-lo, mesmo sem ter para onde levar.
Depois de uns dias na clínica derretendo até os corações mais gelados, ele foi para o BG. E no BG foram só alguns dias para o voluntário Ricardo Bauer se apaixonar e resolver levar ele e a Maya pra casa.

Adotados em Agosto de 2015.

Depoimento adotante – Ricardo

Adotar um animalzinho é um ato que se inicia com uma série de planejamentos e considerações, e que se finaliza com uma feliz constatação: somos nós os maiores beneficiados com a presença cotidiana desses seres mágicos. Dodó desde o início foi um gato muito manhoso e carinhoso, é um verdadeiro reizinho. Suas peripécias e artimanhas encantam a todos. Charlotte foi diferente, pois nela operou-se uma grande transformação: de gata assustada e arredia passou, em pouco tempo, a uma companheira sempre presente – demanda atenção e oferece afeto em abundância. Ambos trouxeram à família insubstituíveis momentos de amor e humor, uma adoção conjunta para ser sempre festejada.