Laura e Porthos

Resgate / Vida no abrigo:

Laura é a guerreira de olhos tristes, mãe dos metrozinhos. Depois de se desdobrar na estação de metrô para cuidar dos seus filhotes e de outra ninhada de uma gata morta nos trilhos, foi resgatada exausta e com infecção. Mesmo sem poder amamentar não queria ficar longe dos filhotes que não lhe davam um minuto de sossego.
Depois de curada, foi vacinada, castrada, fez tratamento para olhos, que têm um probleminha de lubrificação, e ficava quieta pelos cantos do BG resignada, a espera de um lar que talvez ela achasse que nunca conheceria.
Mas esta realidade mudou, assim que sua família foi visita-la no abrigo.

Porthos e seus 02 irmãos mosqueteiros foram descartados num saco de lixo para morrer. Mas tiveram uma nova chance e foram para o abrigo bem novinhos. Porém a vida no abrigo, no meio de tantos gatos, sem contato intensivo com humanos, as vezes faz com que gatinhos tímidos fiquem mais retraídos com o passar do tempo.
O Porthos foi crescendo e gostando de ficar escondido. Mas se a gente ia lá e o puxava de trás de um arranhador ou debaixo na coberta da cama, ele se rendia aos carinhos.
E felizmente uma família enxergou além da timidez e resolveu dar ao Porthos a chance de se sentir realmente seguro e ser feliz. Hoje ele se chama Tadeu.

Laura e Porthos foram adotados em novembro de 2015.

Depoimento adotante – Xênia

Nunca pensei em cuidar de gatos na minha vida!!!! Sempre tive só cachorros. Mas quando os meus dois últimos faleceram, meu marido disse que não queria mais nenhum. Ele e eu claro, havíamos sofrido bastante com as perdas. Pois bem, ficamos algum tempo sem animais. Mas de repente foi dando um vazio inexplicável, mas meu marido estava irredutível quanto a possibilidade de arrumarmos outro cachorro. Foi quando comecei a prestar mais atenção nas pessoas que tinham gatos de estimação. Sempre achava interessante o modo com que elas se relacionavam com seus bichanos: amor extremo. Aí pensei em visitar um abrigo e quem sabe adotar um gato, mas só um e com exigências: tinha que ser filhote, macho e preto kkkkk. Foi aí que conheci o Gato Uai por indicação de uma aluna. Chegando lá, fiquei encantada com o trabalho dos voluntários: quanto amor e dedicação envolvidos!!!! Admirável mesmo. E então expliquei a querida Flávia que me acompanhara, o tipo de bichano que eu queria. E Flávia acabou me convencendo a levar o Tadeu, um gato lindo mas adulto kkkk. Mas não parou por aí nãoooo!!! Acabei conhecendo a Laura, uma gata adulta tristonha e famosa pela sua história de vida difícil nas ruas. Moral da história: fiquei comovida e a levei para casa junto com Tadeu!!!! Ah e depois para aumentar a galera de serumaninhos, ainda arrumei o dog Ismael kkkkk que por sinal aprendeu a conviver muito bem com os bichanos!!!! Minha história é essa e sou muito feliz com esses meus filhos e creio que eles também. Xenia, adotante de Laura e Tadeu.